Etiqueta: saúdedamulher

Microbiota uterina e fertilidade

Microbiota uterina e fertilidade

Se ainda acha que o útero é um lugar estéril, sem bactérias, então este artigo é para si. Se deseja engravidar, este artigo é para si. Se já teve abortos espontâneos ou falhas de implantação em processos de fertilização in vitro, este artigo é para 

Saúde dos ovários e estilo de vida

Saúde dos ovários e estilo de vida

Bom dia! Para começar, este artigo é para quem quer engravidar em breve mas também para todas as mulheres que pretendem engravidar um dia. A hora de começar é a cuidar dos seus óvulos é AGORA. Sabia que já nascemos com todos os nossos óvulos? 

Anemia ferropénica: o que é e qual o papel da Nutrição?

Anemia ferropénica: o que é e qual o papel da Nutrição?

A anemia ferropénica é a mais comum forma de anemia e associa-se à carência de ferro.

Esta carência pode ter várias causas, entre as quais a ingestão insuficiente de alimentos fontes de ferro, a má absorção do mesmo pelos intestinos, períodos menstruais longos e de fluxo intenso e/ou cirurgia bariátrica.

Os sintomas mais comuns da anemia são fraqueza, cansaço, palidez da pele e mucosas, palpitações, taquicardia, unhas fracas e queda de cabelo.

Quando não identificada e/ou não tratada, a anemia por deficiência de ferro pode prejudicar o funcionamento da glândula tiróide (agravando a sensação de cansaço), além de enfraquecer a imunidade.

Embora o ferro esteja presente em diversos alimentos, a absorção do mesmo é diferenciada entre eles. O ferro encontrado nos alimentos de origem animal (o ferro heme) como carne bovina, vísceras, ovos, frango e peixe é o ferro que o organismo melhor aproveita e absorve. Por sua vez, o ferro encontrado nos feijões, nos vegetais verdes escuros e em algumas sementes (o ferro não-heme) é menos biodisponível, estando a sua absorção dependente da ingestão conjunta alimentos fontes de vitamina C. Desta forma, sempre que consumir leguminosas (feijões, lentilhas, grão de bico, ervilhas), vegetais verdes escuros e sementes, vale a pena incluir nessa refeição frutas cítricas, morango, kiwi, limão, papaia ou manga pelo seu teor relevante de vitamina C.

Além de aumentarmos o aporte de ferro da nossa dieta, precisamos também de ter em conta como está o nosso intestino: uma microbiota intestinal saudável (ou seja, a presença das bactérias certas) também é importante para uma boa absorção de ferro. Para isto, devemos, por exemplo ingerir fibras, pré e probióticos.

Ainda numa perspetiva alimentar, é preciso lembrar que o cálcio e o ferro são dois nutrientes que competem entre si, pelo que não devem ser ingeridos na mesma refeição. Assim, se tem o hábito de comer um iogurte ou queijo durante a refeição, abdique desse hábito, pois está a prejudicar a absorção tanto de ferro quanto de cálcio.

O tratamento mais comum em casos de anemia ferropénica, além da maior inclusão na dieta de alimentos ricos em ferro, é a suplementação deste nutriente. Esta pode ser feita com sulfato ferroso e/ou com ferro quelado. Ambas as suplementações devem ser feitas apenas sob prescrição médica ou de nutricionista, e tendo em conta inúmeros outros parâmetros. Vale informar que o excesso de suplementação de ferro atinge negativamente a microbiota intestinal e por consequência a integridade e saúde do intestino, além de que o ferro em excesso atua como oxidante e isso nós não queremos.

Espero que este artigo tenha sido útil e que não se esqueça que se suspeitar de carência de ferro no seu organismo, procure um médico que confirme este diagnóstico, e depois um nutricionista que lhe adeque da melhor forma a dieta para corrigir esta carência.