Etiqueta: gestação

Microbiota uterina e fertilidade

Microbiota uterina e fertilidade

Se ainda acha que o útero é um lugar estéril, sem bactérias, então este artigo é para si. Se deseja engravidar, este artigo é para si. Se já teve abortos espontâneos ou falhas de implantação em processos de fertilização in vitro, este artigo é para 

Disruptores endócrinos e saúde hormonal

Disruptores endócrinos e saúde hormonal

Os disruptores endócrinos são substâncias que interferem no nosso metabolismo e função hormonal, criando um desequilíbrio em ambos. Consistem em toxinas ambientais tais como os ftalatos, metais pesados, organoclorados, etc. Temos 4 exemplos bastante conhecidos: ALUMÍNIO: que encontramos em vários utensílios de cozinha e também 

Quais são os nutrientes essenciais para a formação de espermatozóides?

Quais são os nutrientes essenciais para a formação de espermatozóides?

Como já foi abordado por aqui, 40 % dos casos de infertilidade tem origem no fator masculino, com diversas causas.

Quando falamos em espermatozóides falamos em três aspetos importantes: quantidade, qualidade e mobilidade, e a Nutrição é um forte aliado em todos estes aspetos.

A espermatogénese (formação de espermatozóides) é um processo associado a um grande aumento do stress oxidativo que, como já vimos, é prejudicial para a fertilidade masculina.


Dessa forma, alguns nutrientes são essenciais e protetores no processo de espermatogénese:

  • Zinco: essencial para o bom funcionamento do sistema reprodutivo masculino e um dos nutrientes mais presentes no esperma. Homens com infertilidade possuem menores quantidades de zinco e esta carência pode estar associada à diminuição dos níveis de testosterona e da quantidade de espermatozóides. O zinco está presente nas carnes, peixes, ovos, leguminosas, marisco;
  • Selénio: essencial para a produção dos espermatozóides. A sua carência pode originar alterações na morfologia do espermatozóide. Por outro lado, a função antioxidante deste nutriente previne os danos causados pelo stress oxidativo e, agindo em conjunto com a vitamina E, é capaz de aumentar a mobilidade dos espermatozóides. Está presente nas castanhas do Brasil (2-3 por dia suprem as nossas necessidades diárias), mas também noutras leguminosas, assim como em peixes, carne e marisco;
  • Vitamina E: esta vitamina contribuirá não só para a mobilidade dos espermatozóides, como também para a prevenção dos danos causados pelo stress oxidativo. Está presente no azeite, abacate, oleoginosas;
  • Vitamina C: atua na proteção ao dano celular e ao dano ao DNA. Está presente em frutas cítricas, como laranja, limão e maracujá; outras frutas, como abacaxi, morango, kiwi; e vegetais, como abóbora, agrião, alface, beterraba e brócolos;
  • Coenzima Q10: essencial na produção de energia no espermatozóide, permitindo o correto funcionamento da sua cauda e uma ótima mobilidade. Está presente na sardinha, e outras carnes e peixes;
  • L-carnitina: este aminoácido tem como principal função contribuir para a formação de energia nos espermatozóides, o que é essencial para sua mobilidade. No epidídimo, o esperma utiliza a oxidação de ácidos gordos como principal fonte de energia, e a carnitina é fundamental para o transporte desses ácidos gordos para o interior das células, onde a produção de energia irá ocorrer, contribuindo depois para a mobilidade dos espermatozóides. Encontra-se em alimentos de origem animal, que fornecem dois aminoácidos, a lisina e a metionina, que fazem com que o próprio organismo produza a carnitina.
  • Vitamina B12: relaciona-se com a replicação celular, principalmente para a síntese de material genético (DNA e RNA), e a sua deficiência está associada à diminuição da quantidade e da mobilidade dos espermatozóides. Encontra-se em alimentos de origem animal.

Como pudemos constatar, não só temos de olhar também para o homem na abordagem à infertilidade, como a Nutrição é sem dúvida um dos aspetos que não pode ser negligenciado, pelo contrário, deve ser priorizado.

Faça a sua parte! 🙂

Na semana mundial da amamentação, vamos ajudar quem não pode/consegue amamentar: quais as alternativas ao leite materno?

Na semana mundial da amamentação, vamos ajudar quem não pode/consegue amamentar: quais as alternativas ao leite materno?

Os benefícios do leite materno para a mãe e para o bebé já são conhecidos (http://nutricionistajoanapereira.pt/2019/08/07/conhece-o-leite-materno-e-quais-os-beneficios-da-amamentacao-para-a-mae-e-para-o-bebe/ ), mas seja por escolha ou por impossibilidade, muitas mães não amamentam os seus filhos. Nestes casos, a prioridade deve ser fornecer alimento ao bebé para que este possa